quinta-feira, 20 de julho de 2017

o casino de outubro...atenção ao crupier..



Uma coisa já é certa! Dia 1 de Outubro vamos ao casino
Vão sendo conhecidos os baralhos. Cuidarão os covilhanenses de perder quanto menos melhor.
Baralhos viciados, cartas sedutoras, a atracção pelo ganho na próxima carta, são os perigos de qualquer casino. Atenção, muita atenção ao crupier !! As damas não contam, saltam logo fora do baralho. As outras figuras uma incógnita.
Certo, certo, é o jogo acabar só com duques e desses, ninguém espera nada. 
Não há como ir a jogo. O joker está feito com o curpier, é quem manda...e mai nada!!!

terça-feira, 18 de julho de 2017

Candidato do movimeinto "de novo covilhã" apaga foto do juiz que o condenou, 8 horas depois de a ter publicado na sua pagina de facebook. Agora voltou a repor a foto depois do nosso reparo. Hehehehe. O ultraje, desorientação e falta de respeito por ele próprio levam no a cometer estes dislates. Nos fizemos o print screen para memória futura


setembro 2013...o começo do conluio e motim..

Isto é o limite!…em toda a parte do mundo isto é crime…

 
Recuperamos um dos mais infelizes episódios da democracia local. Um dos julgamentos de prevaricação que escapou á justiça. Não apenas infeliz, pela revelação da degradação do mistagogo, mas de toda uma corte, agindo imoralmente na defesa incauta, de um grande líder que jamais deveria ser afastado do poder. Note-se, abandonar a política é bem diferente de abandonar o apego ao poder e dominação do colectivo.
Decorria a ultima campanha eleitoral, que haveria de resultar numa indeminização choruda, para a integração de quem nunca se idealizou integrado, por manifesta falta de espaço, ou simples adição e mania.
Fomos surpreendidos por um comentário da página do FB do Município, para publicar um ataque, curiosamente num estilo e tom que se tornaram costumeiros, numa narrativa e atitude sabotadora da Covilhã e das suas gentes, ameaçadora, intragável, persecutória, utilizada em blogs e redes organizadas de perfis falsos, com o fito de manter a sebastiânica imagem do predador. Igualmente ao estilo “bate e foge”, foi retirado. É necessário print screen?!
O anonimato não é um crime. Crime, é utiliza-lo para atacar pessoas sem interesse publico. Cidadãos, cuja vida pessoal e profissional, relacionamentos, estilo de vida, é de sua única responsabilidade e direito de privacidade.
Arregimentar e organizar redes de divulgação é para nós o crime. Provavelmente o mais hediondo dos crimes sociais. Não deve ser imputado exclusivamente ao autor. Só acontece porque tem cúmplices e são autores da disseminação. As suas posições públicas não podem ser consideradas cândidas. Estão ao serviço da “causa”.
Nunca se apurou, quem teve a iniciativa do comentário improprio e excessivo no uso do sítio institucional, presumivelmente um garante da representação do estado de direito. Ficaram impunes. Quem se sente impune, não hesitará perpetuar. Chegamos onde chegamos. A gangsterização da mensagem. A ameaça rebuçada, temerosa, agitação social.
A Covilhã não é isto! Não há espaço para gangsters! Onde chegará a justiça? quando veladamente, ou não, se publicam fotos pessoais, ao estilo “estás marcado”?
Já não nos surpreende. Foi sempre isto e muito pior. Um poder podre de ameaças veladas.
No regresso da “guerra dos tronos“, recuperamos a frase Walder Frey (o defunto Anselmo lá do sitio, traiçoeiro e vingativo):
 “Deixem um lobo vivo e as ovelhas nunca estarão a salvo.
 

segunda-feira, 17 de julho de 2017

debate ou encomenda?



Que cultura para a Covilhã? Debater cultura é seguramente uma obrigação para um projecto de sociedade,  que busca a sua própria identidade e comportamento .
Mais do que saber, se a Carmina Burana virá cantar ou não no teatro cine, da importância do Davd Carreira na vida dos Covilhanenses, o valor do kitsch na promoção das elites locais, importa saber o papel da cultura na caracterização de uma sociedade, um bem intrínseco.
Cultura orçamento, o prazer e a satisfação própria do produtor ou um bem de uso colectivo?
Cultura espectáculo? ou cultura enquanto fator de desenvolvimento social e envolvimento colectivo? Cultura um bem efémero ou um legado geracional?
Uma coisa é certa, debater cultura é passado, presente e futuro. Faz sentido saber o que se propõem e o que pensam os futuros lideres a designar democraticamente pelo voto dos covilhanenses. Não basta, promover palcos extemporâneos e meros acontecimentos de promoção pífia. A cultura é o adn de uma sociedade e por isso uma coisa séria.
Ora, sendo certo que no momento, só o Marques Mendes sabe quantos e quais são os candidatos, quando os covilhanenses, não sabem objectivamente quem são, porque não é certo que obtenham assinaturas suficientes, porque não estão apresentados os candidatos, interrogamos da seriedade e da proposta dos objectivos a debater.
O vitinho fará uma antecipação da sua candidatura? Ou mandará representa-lo, o já ex , que nunca foi vereador da cultura? O outro anunciará o encerramento da recolha de assinaturas?
Que importância terá o debate para falar verdadeiramente de cultura? Será um debate ou encomenda?

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Vamos à obra. O carpinteira tamen já contactou o arq. Bielo russo, Vladimir Caralhovski de tendencia cripto-ortodoxa para ornameintar o Pelourinho. Vamos substituir os pilaretes centrais por caralhetes. Ao lado em pleina placa ficará uma cupula que servirá evideintemeinte para cupular. No futuro todo o pelourinho ficará coberto com uma enorme manta de orelos patrocinada pela rude, mas isso só mais lá prá freinte... Logo veimos


terá ADN de candidato a uma camara perto de si????


Vamos lá a ver se a gente se entende…



Não é a primeira vez que esclarecemos o que somos e o que queremos
Citar o nosso nome é para nós uma preocupação, não queremos sequer que se saiba da existência do nosso cantinho, num mar imenso…tão pouco, no mundo e arredores! Será que temos direito á nossa privacidade?
Há vários meses, decidimos não admitir comentários com insultos  ou obscenidades, e desde esse momento não citamos ou falamos de nomes pouco higiénicos á salubridade mental. Ainda assim, alguns insistem marrar com o carpinteira.
Partilhamos a nossa opinião, encontra-a quem a procura. Nunca fizemos campanhas, convites etc, para que nos descobrissem. Fazemos até questão de informar que “este espaço não é para basbaques” e que pondere bem, se deverá voltar, caso tenha nele tropeçado. A única coisa que se pretende neste espaço é fazer um registo da nossa opinião. Opinamos pelo que esta dito e publicado.
Por isso não queremos publicidade gratuita, apesar de enganosa.
Mas, merece o autor do uso abusivo do nosso nome, algumas considerações:
Se alguma vez pretendesse participar no discorrer de alguma opinião nossa, poderia fazê-lo. Não colhe, o próprio ou por entreposta pessoa, comentários alarves, ofensivos utilizando verborreia vocabular.
Simples! Seja claro e honesto intelectualmente. Recomendamos três passos: 1- O facto, 2- A opinião, 3-A conclusão. Nunca tenha a pretensão de convencer ninguém, aqui só devem participar pessoas com vontade e opinião própria. É difícil? É!. Especialmente pra quem se aproveita destes espaços para catequizar fieis. Não é o nosso caso! Sempre assumimos que o agora revelado, foi a pior coisa que alguma vez aconteceu á Covilhã. Sempre foi a nossa opinião.
Em próximas ocasiões, se o distúrbio e desorientação o obrigar a usar o nosso nome, por favor, não nos cite simultaneamente com outros espaços. Como o nosso cantinho só há um, o nosso e mais nenhum! Alguma razão haverá, para que eles apareçam e desapareçam e este cantinho permaneça há dez anos. E tudo está conforme o original. Se fosse o caso, ninguém precisaria de usar print screens para provar a sua razão. Nunca precisamos de bater e fugir. Trocas e baldrocas. Registar e apagar. Porquê? Porque apenas registamos a nossa opinião e assim queremos continuar.
Em próximas ocasiões, se as houver, não se atribuam mandantes ou autores. Já tivemos milhares, algumas vezes, até com “certezas” publicadas nesse espaço, de que agora se procura autor para notificar. Tipo, o que não tinha conhecimento da audiência em tribunal! Foram sempre encontrados autores variados, conforme a circunstância ou opinião. Já fomos de comunistas a fascistas. Enfim…compreende-se de quem lê uma opinião e em torno dela faz conjecturas.
Agora, elevar a inteligência da personagem vitinho a mandante? Uma barbaridade do intelecto e uma aberração opinativa incongruente. Das duas uma! saiu do pacote da milupa ou é um tipo que saiu  de uma lata de tomates da guloso? decidam-se! Nós opinamos que saiu da milupa. É a nossa opinião!
Não ofenda, não ataque pessoas, essas sim anónimas, ou seja, sem interesse publico. Não permita ou obrigue os seus correlegionários a publicar e partilhar, barbaridades, ataques em modo e tom igual ao discurso do mandante e igual no blog. Uma espécie de brincadeira entre o passos e maduro, qualquer semelhança é pura coincidência?! Eles serão cúmplices.
Já agora e para terminar, pare, olhe, pense e perceba verdadeiramente a causa do destrambelhamento. Veja-se que, em boa verdade, não precisa de ser enxovalhado. Enxovalha-se a si mesmo. O modo e o tempo das atrocidades são de autoria própria. O tipo de pessoa que ninguém quer levar ao baile, a qualquer momento envergonha os próprios amigos, e dele, passam a querer distancia.
Pense e pense bem, faça uma auto avaliação e veja se aceitaria um convite de si próprio para ir ao baile. O tipo do espelho é perigoso? Finalmente, estaríamos de acordo…
Veja se vai a tempo de pedir desculpa a todos quantos o aconselharam a parar. Apesar de tudo, poderia ter escolhido ficar na história por eventuais boas razões, escolheu sair da pior maneira, banalizado, odiado, descoberta a verdadeira essência da personalidade.
Por fim, recomendamos um pedido de desculpa a todos quantos deram a cara por si e se sentem agora achincalhados. 
A arte de sair de cena é um atributo que não se encontra no homem banal.
É verdade, quem com ferros mata, com ferros morrerá na praça publica.
Bom! e agora  vamos recolher-nos, eu e a minha consciência, para continuar a seguir a serie Games of Thrones...

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Quem anda a destruir os outdoors da nova energia?


crime, covardia politica, mentira e justiça… III



Tudo pode ser mentira…tudo é mentira!
Afinal, reunidos milhares de assinaturas, aos olhos dos seguidores, para o tribunal poderá não conseguir ser candidato. Espante-se. A mentira ciente.
Desde que antecedeu uma prisão, a apresentação de um livro não é uma bom pressagio na carreira de  um político. Talvez a presunção de dotar a seita de uma bíblia, um símbolo distintivo. Será? Quantos cabem a cada membro? Pelo menos uma no travesseiro, na mesa de cabeceira, na sala, e gradecer o dom do alimento ao seu autor. Será?
Circulou um registo de 179 fotografias de um evento (estranhamente com restrita divulgação, como que ao toque de ordem , ninguém partilhasse o registo de uma panaceia gorada). Notável !! Pelo menos 2,5 fotos por presença… É indisfarçável nas expressões um ar apreensivo e de desilusão. Longe, muito longe iam os tempos em que a mesma praça se enchia de seguidores, para ouvir o então candidato e muitos deles talvez conscientes do que aconteceria no dia seguinte. Não se encontra um único sorriso.
Bem, bem lá no fundo, sabiam que a sua presença, poderia ser mais uma manobra de véspera, para pressionar a justiça.
Teria sido mais apropriado condenar depois das eleições? Imagine-se que a pena dava cadeia efectiva, admitindo que haveria alguma verdade na possibilidade de ganhar as eleições, quereríamos um presidente a despachar na masmorra? Andou bem a justiça, as manigâncias apenas protelaram a desvergonha de uma intentona.
Já estava condenado. Honestidade, dignidade e valor teria sido na data enfrentar a justiça, esclarecer com ela todas as duvidas e apresentar-se politicamente com dignidade e assumida responsabilidade.
Não há um exemplo que não comece ou acabe ofendendo alguém. Para esta gente, devidamente preparadas e estranhamente alinhadas em poucos minutos, talvez graças a uma eficiente comunicação entre a claque, não existe confronto de ideias, há, a exemplo do líder uma confrontação pessoal, o insulto, a ameaça. Não é política ou as ideias que os une, é o ódio pessoal e a perseguição, que ilumina esta seita, tal como as outras. Deu resultado na aplicação da pena e do perdão do tabelião, porem nada vale a baderna para recuperar um líder espiritual.
Veremos se ainda falta serem conhecidas mais condenações….